A viagem pela estante mais pobre da face da Terra

Ou sobre os parcos livros da minha prateleira e meu exagero básico.

MINHA GENTE, JÁ É UM DE FEVEREIRO, COMO ASSIM? Esperemos que seja doce, né? ❤

Bom, depois que minha vida deu um giro de quase 360 graus eu precisei me desfazer de 80% das coisas que possuía. Deixei meu quarto de lado, algumas lindas decorações, roupas e, principalmente, meus amados livros.

Eu tinha um apego grande também porque eles representavam o início da minha independência financeira. Eles foram uma das primeiras compras que fiz quando comecei a ganhar meu dinheiro aos 18 anos. Sempre quis as coleções e edições especiais, porém minha adolescência foi toda pedindo emprestado os livros dos meus amigos.

Meus pais nem sempre me incentivaram a ler literaturas infanto-juvenis ou nada do tipo, embora mainha sempre tenha tido uma estante cheia, mas eu não me interessava tanto pelos títulos que pareciam técnicos ou adultos demais para a época. Já painho também contemplava uma biblioteca em casa, mas de revistas desinteressantes ou NSFW, livros de viagens (que na época eu apenas folheava algumas coisas) e temas empresariais que tampouco me apeteciam.

Fiquei realizada quando comprei, em promoções maravilhosas, as sagas de Harry Potter e Desventuras em Série. Na época presenteava muito dos meus amores com livros e também me sentia incrível por isso.

O tempo passou e agora eu posso montar uma mochila nas costas e sair por aí, vivendo onde der. E por isso a magia do livro novo, o vício de cheirá-lo e a ostentação de expô-lo na prateleira não me pertencem mais. Ou pelo menos fazem parte do meu passado (por enquanto).

Mas a natureza encontra um caminho… HAHA. A minha reviravolta tecnológica (pois agora sou a louca dos ebooks) não me impediu de perceber que meu humilde armário (zero estante) já possui cinco exemplares. Isso não é o máximo? Parece flor que nasce em asfalto! Então vim, como uma rainha, dividir minha riqueza literária com vocês e fortalecer a leitura, uma das metas de 2016:

DSC_0560

  • Da minha terra à Terra, de Sebastião Salgado com Isabelle Francq {ganhei de presente}

Vim lendo no avião e por isso o tenho comigo. Lembro que ganhei de vovô e li até a metade. Meu antigo professor de fotografia, Ivan Alecrim, não gostava muito do fotógrafo, mas até agora eu achei sua história muito nobre e interessante. Primeiro: ele foi tentar a vida fora do Brasil, e apenas com o tempo a sua vontade de fotografar floresceu (os seus primeiros estudos foram na faculdade de Economia). Gosto de histórias com reviravoltas, sabe? A gente não nasce pronto e tampouco fomos feitos para fazer só uma coisa durante toda a vida.

Nesse livro dá pra entender o contexto político, ético e existencial de um dos fotógrafos mais famosos do mundo. Enfim, história massa de vida + fotografia. Tem como não amar? <3.

  • Portas Abertas, de Aline Campbell {R$35, já com frete incluso para todo o Brasil}

Conheci a Aline dos vídeos e, sobretudo das notícias sensacionalistas que por incrível que pareça falava 99% da verdade: Aline viajou por três meses pela Europa SEM DINHEIRO NENHUM. DEAL WITH IT.

Mas tem aquele 1%, néam? Aí você descobre tudo no livro. Os pontos-chave desse 1% é que ela pagou uma passagem de ida e volta do Rio de Janeiro até Frankfurt. Além disso ela acreditava que poderia ficar sem dinheiro por lá, por meio de muita generosidade, sorriso no rosto, paciência, carona e internet para o couchsurfing. E voilà!

A história é bem bacana e sincera, como a Aline deve ser na vida real (aliás, eu quero ir ao Rio de Janeiro de novo só pra conhecer essa maravilhosa e por Gabi, uma amiga minha que parece com a Scarlett Johansson). Encomendei diretamente o livro com a autora, então tem a sua dedicatória e assinatura fofinhas estampadas no livro independente. Adoro escritor que não depende de editoras. Esse é livro de cabeceira porque apesar de eu ter comprado pra entender o que ela fez pra ser bem-sucedida nesse intento, no fim percebi que você sai da leitura mais inspirada a viver melhor, com mais sentido, com menos ganância. A filosofia por trás da história é o que mais importa nesse livro. Minha chará quebra paradigmas, dá uma nova maneira de você pensar a sua vida inteira. Você precisa desse livro, sério.

E outra razão: invista seu suado dinheiro nas pessoas que querem mudar o mundo de alguma forma. Você se ajuda e ajuda o outro, né INCRÍVEL? Aline tem fanpage e o livro você pode encomendar aqui. Acho até que vou reler, HAHA.

aDSC_0561aDSC_0562

  • Beleza Real, de Nega Hamburguer {R$ 50}

Mais uma vez uma compra que teve como motivação ajudar um tema maravilhoso. Participei do crowfunding da Evelyn Cardoso que prometia produzir livros e outros brindes lindos com ilustrações sinceras e empoderadoras da artista. Fico bastante feliz de ter feito parte de algo assim.

Como o próprio nome diz, Evelyn Cardoso decidiu trabalhar com a beleza das mulheres reais, aquelas que não entram nos estereótipos de beleza bizarros e inalcançáveis. O livro é contemplado por ilustrações e relatos de mulheres que sofreram de alguma forma por seus corpos, suas vontades ou simplesmente pelo fato de terem nascido mulher. Algumas evidenciam, para a minha felicidade, que superaram tais dificuldades. Imagina a artista ter lido tudo isso e ter criado suas produções com todos os detalhes tristes e absurdos recebidos. Foi muita responsabilidade.

Eu confesso que não terminei o livro porque eu chorei bastante com as pessoas contando as suas dores. É pesado, sobretudo se você é mulher, porque identificação é o que não vai faltar.

Se quiser comprar o livro, corre aqui que tá mais barato agora: R$ 35, já com frete incluso. Mas se não quiser ou não tiver, pode olhar os relatos direto no site da Evelyn.

  • Rayuela, de Julio Cortázar {presentinho}

Esse é um livro que eu não li nem a primeira folha. Calma, vou explicar: ganhei quando estava aprendendo espanhol e não me senti pronta pra começar algo assim de cara. Acabei deixando um pouco de lado, mesmo sabendo que é bastante interessante por conter uma forma de leitura pouco usual. Na época li críticas sobre o exemplar e descobri que existem múltiplos finais para a história. Você pode ler normalmente, começando do início e indo até o último capítulo, no caso o 56. Ou você adota uma maneira que o autor também sugere e que está no começo do livro. Algo como: capítulo 76, depois pula pro 1, depois para o 2, depois corre para o 116, depois volta pro 3, depois vai lá no 84 e o restante tá descrito na mesma página. No mínimo incomum, certo?

aDSC_0565aDSC_0567

  • Cien Años de Soledad, de Gabriel García Márquez {presentão}

Quem nunca ouviu falar sobre essa obra célebre? Pois bem, sugeri a um rapaz especial e acabei ganhando mesmo. O rapaz voltou para o seu país de origem, mas deixou o livro com a dedicatória mais linda do universo. Aí imagina você, morrendo de saudade de um amorzin, abrindo o livro pra dar aquela cheiradinha nas páginas novas e se depara com a dedicatória que vai mudar a sua vida. Que saudade desse sentimento, desse dia! Que feliz!

MAS VOLTANDO PRO QUE INTERESSA: terminar que é bom, HAHA, ainda está em processo. Confesso que iniciei umas páginas ano passado porque já estava mais segura com o idioma hispânico, mas além de ser uma língua diferente da minha, a escrita é bem erudita e achei meio cansativo ficar indo direto ao dicionário. Mas em breve mato esse leão.

Termino esse post desafiando vocês com essa foto do livro da Nega Hamburguer: escreva e desenhe sua própria história. Pode ser mentalmente apenas, pode ser um post de blog, um vídeo, pode ser o que você quiser. Mas o importante é que você saiba que a vida é SUA e de mais ninguém. SEJA PROTAGONISTA DA SUA HISTÓRIA. Lembrete pra vocês e pra mim, tá bem?

aDSC_0587

E vocês, o que têm nas suas prateleiras? Sei que provavelmente serão muitas coisas, mas podia rolar um post sobre as últimas cinco aquisições, né non? Algo pra indicar? Já conheciam os livros e autores desse post? Conta pra mim!

Com cariñito, Alien.

#Se quiser ver mais fotos ainda dessa série vem aqui no meu Flickr!# ❤

Anúncios

18 comentários Adicione o seu

  1. A louca dos ebooks hahahahaha Eu tenho minha pilha de livros, mal consigo pensar na ideia de ter que viver sem eles, preciso desapegar, eu sei, mas por enquanto fico admirando a coragem e desapego de vocês, melhor ❤

    Curtido por 1 pessoa

    1. HAHAHA, falo que sou a louca pelas compras que fiz. Não conhecia aquela Aline consumista e não fui quem geralmente sou: econômica e ponderadora sobre as compras. Penso 10x antes de possuir algo, não quero tralha na minha vida. Mas com cenzinho no bolso virtual me acabei e ainda acho que contribuí com o trabalho de gente esforçada e querida. Não posso me arrepender, né? HAHA, esse tal de desapego é pra quem quer mesmo, viu? Amo coleções e admiro quem as tem. No entanto refletir sobre nossos acúmulos de coisas é sempre importante <3. Depois quero ter invejinha branca da tua prateleira, se fizer algum post sobre me diz.
      Beijo!

      Curtido por 1 pessoa

  2. “Parece flor que nasce em asfalto!” Adorei! hahaha
    * Já assistiu ao filme sobre o Sebastião Salgado? Assisti no trem saindo de Valencia para Barcelona e chorei de emoção com o filme, o cara tem um tato, uma sensibilidade e uma força de vontade incríveis! Acho até que vou assistir de novo.
    * Adoro as ilustrações da Evelyn, vou buscar conhecer um pouco mais dos relatos.
    * Amei a dedicatória, que especial!
    * Que louco o livro do Julio Cortázar :O Não conhecia!
    * Gostei da coragem da sua xará!
    Tenho muitos livros aqui na estante de casa, mas em sua maioria são livros técnicos de profissão (arquitetura) então nada que eu possa parar para apreciar e ler, mas para consulta. Uma das metas de 2016 é retomar o hábito da leitura!

    Curtido por 1 pessoa

    1. HAHAHA! Ai, não! Já quero ver esse filme. Vou adicionar a tua dica no meu filmow!
      E amei teu relato de viajante. Que delícia deve ter sido se emocionar num canto tão lindo.
      A Evelyn é bem talentosa, gosto das ilustrações dela porque são diferentes também.
      A dedicatória <3333!
      Preciso ler esse livro do Julio pra saber os finais diferentes, tou curiosa!
      GENTE, ela é demais, sensacional fazer algo assim nos dias de hoje. Admiro enormemente.
      Eita, livros técnicos são bacanérrimos também e de arquitetura então devem ser mais interessantes do que os que eu tinha sobre administração, haha. Espero que você consiga essa meta! Estarei sempre por aqui indicando livros não tão mainstream, viu? Beijo e brigada por vir de novo no meu cafofo virtual!

      Curtir

  3. Barbara M. disse:

    Oi, Aline. Amei o teu jeito de escrever, você fala de coisas banais de uma forma tão poética. Vou acompanhar te acompanhar por aqui, gostei muito do seu blog.

    Curtido por 1 pessoa

    1. que emoção! obrigada por trazer esse carinho todo em forma de comentário! ♥️💕💗 pessoas como você me fazem continuar a escrever. brigada ✨💕

      Curtido por 1 pessoa

      1. E QUE FOTO SENSACIONAL!

        Curtir

      2. Barbara M. disse:

        Que linda! Pode deixar que vou visitar teu blog sempre, gostei muito! 😘💙

        Curtido por 1 pessoa

  4. Milena Maciel disse:

    Primeiro de tudo: não tô sabendo lidar com aquele seu comentário mais amor, fiquei muito feliz ❤
    Segundo: me ensina a ser desapegada com coisas materiais? Principalmente livro, scrr AUHAUA
    Terceiro: também quero por uma mochila nas costas e sai por ai
    Enfim, adorei suas indicações, tô querendo ler há muito tempo Portas Abertas, afinal, que não quer viajar o mundo todo sem dinheiro né? Quero saber qual é a fórmula mágica hahah Lógico que tinha que ter 1% de mentira né, já esperava. E esse Beleza Real me chamou muita atenção, por causa das ilustrações e dos relatos. Mas como você, acho que não conseguiria terminar de ler sem derramar MUITAS lágrimas, afinal, a dor é de todas nós né?
    Tava fuçando seu blog, e tô apaixonada por cada post, ainda mais pelo das viagens. Posta mais sobre, vou adorar ler os relatos e ver as fotos (lindaasssss), ainda mais por tá com uns planos de fazer um mochilão pela América do Sul.
    Me empolguei um pouco e ficou enorme o comentário, desculpa AUAHAUAH

    Curtido por 1 pessoa

  5. Lari Reis disse:

    Quando o pessoal de Mariana perdeu tudo (vc soube disso?) fiquei pensando nas coisas que mais me machucaria perder. Claro que ninguém quer perder a casa que suou para ter, os móveis, eletrodomésticos, carros. Acho completamente compreensível. No meu coração, porém, fica sempre o medo de perder meus livros, fotografias e, sobretudo, cadernos/diários onde venho escrevendo há mais de 10 anos. Não saberia me desfazer de coisas assim!

    Minha última aquisição literária foi um livro de poemas do Fernando Pessoa, que ainda não comecei a ler.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Sim, todos souberam ou espero que tenham sabido, já que a ideia é não falar sobre uma das maiores catástrofes que o Brasil já teve. Que triste, que terrível. Mas então, tens razão, óbvio que primeiro vem as coisas básicas. Mas a gente sempre tem algum mimo, não é? Eu também escrevia há mais de dez anos em diários (uns anos com mais frequência e outros nem tanto), mas também deixei tudo pra trás. E me faz um bem danado esse sentimento de não me apegar as coisas materiais. Acho que por isso estou tão focada no blog, não deixa de ser meu lugarzinho de escritas e agora está tudo na nuvem, sabe? Posso carregar esse site na mochila. Mas entendo como a gente se apega <3. Você acha que faz uma resenha depois sobre esse livro? Fiquei interessada! ❤ Se sim, lembra de me linkar! Beijo e bom dia <3.

      Curtido por 1 pessoa

      1. Lari Reis disse:

        Acho que não consigo ver meus diários como bens materiais. Apesar de serem palpáveis e terem custado algum dinheiro. Acho que vc entende o que quero dizer, rs 🙂

        Curtido por 1 pessoa

  6. Eu estou no começo da minha coleção de livros. Me desfiz dos infantis e infanto juvenis da minha época.
    Larguei por conta de Atrevidas e Caprichos! HAHAHAHAH :(((
    Agora, compro livro compulsivamente, vou mostrar tudo lá no blog na nossa postagem coletiva! ♥

    Que post. E tua estante é nada pobre ❤
    Um beijo, Bia.

    Curtido por 1 pessoa

    1. hahahaha, valeu, beatriz ❤ ❤ ❤ eu devo ter exagerado um pouquinho, nao é? HIHIHI brigada pelo comentário! E que triste que largasse os infantis pelas revistas, hahahaha! Tou ansiosa pra ver essa postagem o/

      Curtir

  7. VIVIMETALIUN disse:

    Gente super bacana gostei da estante pobre,pobre só de olhar mais rica em imagens esse livro e essa garrafa feita de cofrinho,amei. 😀

    https://vivimetaliun.wordpress.com/

    Curtir

    1. hihihi ❤ brigada por vir aqui :3

      Curtido por 1 pessoa

Vai ser incrível um comentário seu por aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s